Goleira do Cascavel FAG se recupera do Covid

O goleira Nega foi a última atleta a ser contratada para fechar o lnco do Cascavel FAG 2020

Foto: DIVULGAÇÃO
Goleira do Cascavel FAG se recupera do Covid
Nega, goleira do Cascavel FAG

Diante de tantas notícias ruins que temos acompanhado nos últimos meses, relacionadas a pandemia do novo coronavírus, a equipe de handebol feminino do Cascavel FAG resolveu compartilhar a notícia da recuperação da goleira Nega (Esthefani Imidio, de 22 anos).

Neg foi a última contratada para esta temporada de 2020 e contraiu a doença no dia nove maio, passando um período muito complicado, entre as internações e a quarentena, até a confirmação da cura, neste dia dois de junho.

A atleta tinha a sua apresentação marcada ainda para o mês de março, mas com as paralisações das competições, a vinda para Cascavel (PR) acabou sendo adiada. A atleta afirmou que muito provavelmente tenha se contaminado através da embalagem de um lanche pedido via delivery, no dia dois de maio.

Esthefani relatou que seguia a quarentena a risca, indo apenas ao supermercado, quando necessário, para os pais, fazendo uso de álcool gel e máscara de proteção, além de seguir todas as medidas adotas pelos órgãos de saúde. Ela tem dois filhos, um de sete anos e um outro de 1 ano e 3 meses, e mora com os pais, ambos, acima de 58 anos.

Esthefani reside no bairro São Mateus, região leste de São Paulo (SP). Ela afirmou que após nove dias do pedido, começou a ter febre de 39°C, e mesmo medicada, a febre chegou a casa dos 41°C, acompanhada de muita falta de ar.

No mesmo dia em que foi encaminhada para o Hospital Santa Marcelina, localizado no bairro Itaquera, também na região leste da capital paulista, após os exames, ela retornou para sua residência e recebeu uma ligação da instituição médica confirmando que ela havia contraído a Covid-19, e que devia ficar imediatamente isolada em casa, sem contato com seus familiares.

Após quase duas semanas em total isolamento domiciliar, Esthefani ainda se sentia muito debilitada, cansada e com bastante falta de ar. Foi quando retornou ao hospital e, após 14 horas aguardando a disponibilidade de um leito, acabou ficando internada por sete dias. No local, a atleta precisou da ajuda de respiradores, pois a falta de ar era ainda maior. A confirmação da recuperação da total da Covid-19 aconteveu na segunda-feira (1).

“Foi muito difícil (tudo o que aconteceu). Eu moro com os meus pais, que são considerados grupo de risco, e meus dois filhos. Eles tiveram que ficar esse período na casa do meu irmão, que fica aqui próximo, e eu fiquei totalmente sozinha, antes de ser internada e quando recebi alta. Eles ainda não voltaram para cá. Eu tenho que ficar mais dez dias em isolamento, justamente para não correr o risco de precisar ser internada novamente, mas com outro caso de doença, porque estou com a imunidade baixa”.

“Foi muito difícil (tudo o que aconteceu). Eu moro com os meus pais, que são considerados grupo de risco, e meus dois filhos. Eles tiveram que ficar esse período na casa do meu irmão, que fica aqui próximo, e eu fiquei totalmente sozinha, antes de ser internada e quando recebi alta. Eles ainda não voltaram para cá. Eu tenho que ficar mais dez dias em isolamento, justamente para não correr o risco de precisar ser internada novamente, mas com outro caso de doença, porque estou com a imunidade baixa”.

A equipe FAG/PM de Cascavel/Bearskin CrossFit ressalta que segue cumprindo todas as medidas impostas por todos os órgãos de saúde, sejam eles do município de Cascavel, do Governo Federal ou da Organização Mundial de Saúde (OMS), sem a realização de treinamentos e tem sido cobrado diariamente das atletas e membros da comissão técnica que cumpram também todas as medidas.