Tumultuada, Fórmula 1 tem impasses, especulações e prejuízos

A pandemia do novo coronavírus tornou a temporada de 2020 uma das mais tumultuadas da história de 70 anos da competição

Foto: DIVULGAÇÃO
Tumultuada, Fórmula 1 tem impasses, especulações e prejuízos
Autódromo

FOLHA PRESS 

Quatro meses após os testes da pré-temporada, o Mundial de Fórmula 1 enfim terá início neste final de semana. O campeonato será aberto pelo GP da Áustria, marcado inicialmente para ser apenas a 11.ª prova do ano.

A drástica mudança escancara o que foram os últimos meses para a principal categoria de automobilismo do mundo, com impasses, dúvidas e seguidas alterações no calendário.

A pandemia do novo coronavírus tornou a temporada de 2020 uma das mais tumultuadas da história de 70 anos da Fórmula 1. A indefinição teve início com o cancelamento de última hora do GP da Austrália, que deveria abrir o campeonato no dia 15 de março. Os pilotos nem chegaram a participar do primeiro treino livre. Ou seja, não entram na pista desde os testes da pré-temporada em Barcelona, no final de fevereiro.

“Isso nunca aconteceu. Na verdade, o nosso mundo nunca viveu da forma como está hoje. A FIA (Federação Internacional de Automobilismo) está fazendo passo a passo. Até agora confirmou só a fase europeia, enquanto está organizando as outras corridas fora da Europa”, afirmou Luciano Burti, ex-piloto de Fórmula 1 e comentarista da TV Globo.

Nestes quatro meses longe do asfalto, os pilotos viram o calendário sofrer um brusco encolhimento. As 22 etapas, que seriam um recorde na Fórmula 1, se tornaram apenas oito até agora. Ficaram pelo caminho até provas tradicionais, como as de Mônaco e do Japão. O GP da Holanda precisou adiar a sua reestreia na categoria.

“Eu nunca tinha visto isso desde que acompanho a Fórmula 1 desde criança. A F-1 tinha sempre aquela imagem de que não muda nunca, de que fazem de tudo para evitar mudanças. O que está acontecendo é uma exceção, como vem acontecendo com tudo no mundo”, disse Tarso Marques, também com passagem pela categoria.

Preocupada com as indefinições causadas pela pandemia, a direção da Fórmula 1 fez algo incomum ao promover rodadas duplas no mesmo circuito, tanto na Áustria (também no próximo dia 12) quanto na Inglaterra (dias 2 e 9 de agosto).

As outras corridas confirmadas serão na Hungria (19 de julho), Espanha (16 de agosto), Bélgica (30 de agosto) e Itália (seis de setembro). “A logística não é simples, mas as rodadas duplas, como nos dois primeiros fins de semana, na Áustria, facilitam essa questão”, avaliou Buriti.

Depois da prova italiana, o calendário é uma incógnita. Adiados, os GPs do Bahrein, Vietnã, Canadá e China ainda têm chance de serem disputados neste ano. Já as corridas na Rússia, Estados Unidos, México, Abu Dabi (Emirados Árabes Unidos) e até no Brasil seguem em aberto.

E, mesmo fora da categoria nos últimos anos, circuitos conhecidos, como os de Mugello (Itália), Ímola (San Marino) e Algarve (Portugal), podem reaparecer no campeonato deste ano. Estes traçados foram alvos de intensos rumores nos últimos meses.