Diferenças entre o SBPE e o Minha Casa Minha vida

O comprador desfruta de um subsídio do governo

Quando o assunto é comprar casa em Cascavel e ter o tão sonhado imóvel próprio, uma das primeiras ferramentas que vem a mente é usufruir dos programas de habitação, como o SBPE e o Minha Casa Minha Vida (MCMV). O mais famoso é, sem sombra de dúvidas, o MCMV, amplamente difundido pelo governo federal.

No entanto, ele não corresponde ao único programa de habitação/financiamento importante existente no país. Conforme já citado acima, há também o SBPE. Mas como funcionam esses financiamentos especiais? Quais são as diferenças entre ambos os programas? Confira adiante.

O que é o SBPE e como ele funciona

O SBPE nada mais é do que o Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo. Ele constitui-se em uma forma de financiamento que é oriundo, conforme pode-se compreender a partir do seu próprio nome, na conhecida caderneta de poupança.

Em outras palavras, ele se caracteriza como uma linha de crédito voltada para a aquisição de imóveis ou mesmo terrenos, fornecida por diversas instituições financeiras, sejam elas privadas ou públicas. Essa modalidade diferenciada contém uma categoria de crédito na qual os bancos ganham recursos por meio da poupança.

Isso é o que ocorre quando uma parte do enorme volume de dinheiro depositado na poupança, todos os meses, tem como objetivo o segmento imobiliário. O motivo por trás disso é gerar crédito o bastante para a compra do imóvel próprio.

Aqui no país, os bancos, sejam eles públicos ou privados, necessitam gerenciar bem os seus fundos de uma forma que uma parcela do capital, algo em torno de 65% a 100% estejam destinados a suprir as demandas do financiamento de imóveis.

Isso significa que, quanto mais os correntistas da instituição efetuam depósitos nas suas respectivas poupanças, mais elevada será a quantidade de dinheiro disponível para todo mundo, por intermédio do crédito imobiliário.

Ademais, o SBPE possibilita que o cliente do banco adquira seu imóvel com um prazo para pagar de até 35 anos. Trata-se de um tipo de financiamento habitacional que facilita até cerca de 80% do valor do imóvel. Um aspecto interessante e vantajoso é que, nesse tipo de financiamento, ser detentor de outros imóveis em seu nome.

Aqueles que forem beneficiários do SBPE devem ter uma renda familiar mensal de pelo menos R$5.000,00. A taxa de juros é perfeitamente variável, a depender do acordo que foi feito com a instituição financeira.

Na hipótese mais favorável, existe a chance de se conseguir obter dinheiro com uma taxa de juros a partir de 8,5%+TR anuais a até 9,75%+TR anuais. TR significa Taxa Referencial, que atualmente encontrada no zero.

A propósito, essa taxa foi criada com o intuito de controlar a inflação ocorrida no começo dos anos 90, no decorrer do Plano Collor II. Os investimentos que dependem dessa taxa são, além da poupança, o FGTS, os títulos públicos e algumas modalidades de financiamentos imobiliários.

Os requisitos mínimos para contratar essa modalidade de financiamento dependem de cada instituição financeira. Geralmente, as condições exigidas são as seguintes:

·         Ser maior de 18 anos de idade ou ter 16 anos completos e ter sido emancipado;

·         Ser brasileiro ou então, no caso de estrangeiro, ter um visto de permanência no país;

·         Comprovação de renda e ter o nome limpo no SPC e Serasa.

E como é o programa Minha Casa Minha Vida (MCMV)

O programa Minha Casa Minha Vida constitui-se em uma iniciativa promovida pelo Governo Federal e tem como propósito auxiliar a população de baixa renda a financiar o seu primeiro imóvel por intermédio de subsídios.

Antes de tudo, é fundamental salientar que nenhuma instituição financeira pertencente ao governo (Banco do Brasil ou Caixa Econômica Federal) financia o valor total, ou seja, 100% do imóvel.

Atualmente, o índice máximo que o banco financia por meio do MCMC é 90% do valor total. Os 10% restantes são de inteira responsabilidade da pessoa que comprou o imóvel. Nesse programa habitacional, o Governo Federal propicia um subsídio para as famílias que são de baixa renda.

Cabe destacar aqui o subsídio fornecido pelo governo tem o objetivo de reduzir o valor do financiamento, forçando assim as parcelas do financiamento a serem menores. Desse modo, a entrada é de inteira responsabilidade do cliente.

Todavia, existem construtoras que ofertam empreendimentos com entrada inteiramente gratuita. Em casos como esse, tudo o que se precisa fazer é falar com o corretor imobiliário e descobrir como isso pode ocorrer.

Quanto menor a renda da família que desfruta do MCMV, menores serão os valores das parcelas a serem pagas e também mais baixos serão os juros cobrados. Consequentemente, conforme a família se encaixa numa faixa de renda maior, as parcelas cobradas terão um valor maior e mais elevados serão os juros a serem cobrados.

Cabe lembrar também que o MCMV trabalha com regras de cunho geral e caráter específico, segundo a renda mensal do comprador. Conforme enunciam as regras gerais, as parcelas do financiamento não podem passar de 30% da renda bruta familiar mensal. Contudo, o somatório da renda bruta familiar deve ser abaixo de R$9 mil e o valor do imóvel almejado não pode ser maior do que o teto definido segundo cada região.

Por sua vez, as regras específicas tem a ver com a faixa de renda do cliente, a porcentagem do subsidio proporcionado pelo governo, os valores das parcelas e o tempo para quitação do financiamento.

Ademais, o Minha Casa Minha Vida dá uma carência de até 24 meses para dar-se o início ao pagamento, no caso do imóvel ser comprado na planta e seguro em caso do pagador estiver com problemas de saúde ou ficar sem emprego.

As diferenças do MCMV e do SBPE

Duas diferenças cruciais e marcantes entre o MCMV e o SBPE está na faixa de renda das pessoas atendidas. O MCMV é voltado para famílias de baixa renda, tendo um valor máximo estipulado (que é de 9 mil). Isso é bem diferente do SBPE, cuja renda mínima é de R$5 mil, sem limite máximo.

Outra diferença é que no MCMV o comprador desfruta de um subsídio do governo, devendo então apenas pagar a porcentagem restante. Já o SBPE, por sua vez, não há esse subsídio do governo. O consumidor deve dar uma entrada, o banco financia até 80%, mas o comprador precisa pagar esses 80% para o banco.

Agora você sabe como funciona o SBPE e o Minha Casa Minha Vida e as diferenças entre eles. Curta e compartilhe esse post em suas redes sociais!